postado por Rayanne Danielly em 01 maio 2012

Pure

    Um romance distópico de uma sociedade de ricos que escapou de um apocalipse em uma cidade cúpula coberta e de futuristas que ficaram de fora da cúpula e que sobreviveu ao que quase destruiu mundo lá fora.
    Os que não foram quase inteiramente marcado, sofreram um mutação de alguma maneira.

  Essa é a história de Pressia (com um punho de cabeça de boneca), que está se aproximando de 16 em sua cidade pós-nuclear devastada , e a história de Partridge, um adolescente vivendo na segurança do "Dome", um cidade bolha auto-sustentável  cujos cidadãos foram poupados da devastação das detonações. 
   Ela uma menina segurando a boneca quando as explosões atingiu, e agora a boneca é para sempre parte dela e hoje esconde sua mão em uma meia. Ele um puro não marcado que escapou do Dome para encontrar sua mãe, certo de que ela sobreviveu ao cataclismo.
   Eventos definem os dois em rota de colisão sete anos após o apocalipse. Você não pode sequer imaginar os habitantes deste mundo, as pessoas fundido a tudo o que estavam perto quando as explosões atingiu.




Pressia mal lembra das detonações ou muito sobre a vida durante o Antes. Em seu gabinete dormindo atrás os escombros de uma barbearia antiga, onde ela vive com seu avô, ela pensa sobre o que é perder. O mundo de parques de diversões, cinemas, festas de aniversário, pais e mães passou para cinzas e poeira, cicatrizes, queimaduras permanentes, e fundidos, órgãos danificados.
E agora, numa idade em que todo mundo é obrigado a juntar-se à milícia, quer ser treinando como um soldado, ou, se forem muito danificado e fraco, para ser usado como alvos vivos, Pressia não pode mais fingir ser pequena.
Pressia está na corrida.

Há aqueles que escaparam do apocalipse não marcado. Pures. Estão com segurança dobrados dentro da cúpula que protege os seus corpos saudáveis, de qualidade superior.
No entanto, perdiz, cujo pai é um dos homens mais influentes do Dome, sente-se isolado e solitário. Diferente.
Ele pensa sobre a perda, talvez só porque sua família está quebrada, seu pai é emocionalmente distante, e seu irmão se matou, e sua mãe nunca entrou dentro do abrigo.
Ou talvez seja sua claustrofobia: a sensação de que esta cúpula se tornou uma prisão.
Assim, quando ainda existe uma mãe ainda pode estar viva, Perdiz arrisca sua vida para deixar o Dome para encontrá-la.

Quando Pressia e Partridge encontram-se, seus mundos mudam de novo.
Tradução: Mundo da ficção


1 comentários:

  1. Wôw!!
    Esse livro parece ser muito legal!! Tenho muita vontade de ler romances distópicos, pena que não encontro "lugar na fila" dos meus livros. Mas me interessei muito por esse!
    Que horror essa parte sobre as pessoas se fundindo aos objetos que estavam próximos. Me fez pensar nas bombas atômicas de 1945. Acabei de ler um livro sobre isso!
    Adorei a dica!
    beijão!

    ResponderExcluir