postado por Rayanne Danielly em 24 janeiro 2013

Forbidden Love


  Como seria amar, ser correspondido e não poder viver esse sentimento? 
Eles sabem como é: 


IRON KING
—Vamos! — Eu gritei, puxando meu braço livre e tentando agarrar os olhos do príncipe. —Meu irmão está lá fora! Tenho que salva-lo!
—Você nem sequer sabe onde ele está. — Ash agarrou meu pulso livre e o prendeu em seu peito. Olhos prateados brilharam dentro dos meus enquanto ele me sacudia apenas uma vez. —Me escute! Se você for até lá atacar sem um plano, você matará a todos nós, e seu irmão morrerá. É isso o que você quer?
—Não. — Eu sussurrei, toda a luta estava fora do meu alcance. Com a respiração fraca, olhei pra ele e enxuguei meus olhos. —Desculpe.— Disse sem jeito. —Estou bem agora. Não vou surtar mais, prometo.

Ash ainda segurava minha mão. Gentilmente, eu tentei solta-la, mas ele não deixou. Eu olhei pra cima e vi seu rosto a centímetros do meu. Meu coração deu uma parada, então ele começou mais alto e mais rápido que antes. O príncipe estava sem expressão, seu rosto ou seus olhos nada demonstravam, mas seu corpo sim.
Passei a língua pelos meus lábios e sussurrei: —É agora que você diz que vai me matar?
Um canto de seu lábio se enrugou. —Se você quiser.— Ele murmurou. Uma chama de satisfação passou pelo seu rosto. —Embora isso seja muito mais interessante, do que mata-la.

FIRELIGHT — Por que você se importa? Eu tenho ignorado você por dias.
Seu sorriso se desvanece. Ele olha sério, zombando. — Yeah. Você tem que parar com isso.
Eu engulo o riso. — Eu não posso. 146
— Por quê? Não há humor em seus olhos agora, nenhuma zombaria. — Você gosta de mim. Você quer estar comigo.
— Eu nunca disse...
— Você não precisou.
Eu inspiro profundamente. — Não faça isso.
Ele olha para mim tão ferozmente, tão intensamente. Irritado de novo. — Eu não tenho amigos. Você me vê sair com alguém além de meus primos idiotas? Isso é por uma razão. Eu mantenho as pessoas afastadas de propósito. Ele rosna. — Mas então você chegou ....
Eu faço cara feia e sacudo a cabeça.
Sua expressão suaviza então, puxa em alguma parte de mim. Seu olhar percorre meu rosto, aquecendo meu núcleo. — Seja você quem for, Jacinda, você é alguém que eu tenho que deixar entrar.

DELIRIUM
“Você tem que entender. Eu só quero ser feliz.” Mal consigo dizer as palavras. Minha mente é uma neblina, cheia de fumaça—nada mais existe além dos seus dedos dançando e rolando através da minha pele, através de meu cabelo. Gostaria que parasse. Quero que isso continue para sempre. “Eu só quero ser normal, como todo mundo.”
“Você tem certeza que sendo como todo mundo vai fazer você feliz?” Um simples sussurro; sua respiração em minha orelha e pescoço, sua boca arranhando minha pele. E penso que eu realmente estou morta. Talvez o cachorro me mordeu e eu bati a cabeça, e tudo isso é somente um sonho—o resto do mundo dissolvido. Somente eu. Somente nós.
“Não sei outra maneira de ser feliz.” Sinto minha boca abrir, não sinto as palavras vindo, mas estão lá, flutuando na escuridão.
Ele diz, “Me deixa te mostrar.”

DEIXANDO O PARAÍSO 
Fui pra prisão por algo que te fiz e não faço nem idéia de como parece".
Viro minha cabeça e estou encarando seus olhos, mais escuros e mais intensos do que já vi.
"Porque está me olhando assim?"
"Você se lembra do acidente?", pergunta, totalmente focado em minha resposta.
Nego com a cabeça.
"Não se lembra de nada? Nossa conversa antes do acidente, eu te atropelando com o carro? Nada mesmo?
"Não. É um grande vazio. Só sei o que as pessoas me disseram".[...]
"Maggie-" Ele pega minha mão na sua e coloca minha palma contra sua face áspera com um dia de barba por fazer. Ele vira a cabeça e beija a parte interna e sensível da palma da minha mão, seus olhos segurando os meus. "Eu deveria ter feito isto há um ano".
Meu coração dá cambalhotas quando ele se inclina e toca seus lábios nos meus.



OS INSTRUMENTOS MORTAIS - CIDADES DOS OSSOS
"Jocelyn é a sua mãe, Jonathan. E Clary... Clary é sua irmã."
Jace jogou sua mão para trás. O cálice de vinho virou, derramando o espumante líquido escarlate em toda a toalha branca.
"Jonathan", Valentine disse.
Jace estava em uma cor horrível, uma espécie de cor branca esverdeada. "Isso não é verdade", ele disse. "Deve ser um engano. Isso não pode ser verdade."
Valentine olhou firmemente para seu filho. "Um motivo de alegria", ele disse em uma baixa, e contemplativa voz, “eu teria pensado. Ontem você era um órfão, Jonathan. E agora tem um pai, uma mãe, uma irmã, que você nunca soube que você tinha."
"Não é possível", disse Jace novamente. "Clary não é a minha irmã. Se ela fosse..."
"Então o quê?" Valentine disse.
Jace não respondeu, mas o seu olhar doentio de horror nauseante foi suficiente para Clary. Tropeçando um pouco, ela veio ao redor da mesa e se ajoelhou ao lado de sua cadeira, para alcançar a mão dele. "Jace..."
Ele se jogou para longe dela, seus dedos batendo na toalha encharcada. "Não".


QUÍMICA PERFEITA
— Pare de me seguir — diz Brittany, asperamente, olhando por sobre o ombro para ver se alguém está nos observando.
...Como se eu fosse el diablo em pessoa!
— Use mangas compridas, no sábado à noite... Faz muito frio, na garupa da minha moto. E você pode pegar uma gripe — digo, sabendo que ela está no limite da sua sanidade. Não costumo mexer com garotas brancas, mas até que estou gostando de provocar esta, a mais popular, a mais cobiçada, entre todas... Ela realmente me interessa.
— Escute, Alex... — diz Brittany, virando-se de súbito para mim, com aqueles cabelos, que parecem ter sido beijados pelo sol, caindo abaixo dos ombros. Ela me encara, com uma expressão gélida nos olhos claros. — Não costumo sair com garotos de gangues. E não uso drogas.
— Eu também não saio com garotos de gangues — digo, me aproximando dela ainda mais. — E não sou usuário de drogas.

DEARLY, DEPARTED 
Eu sabia que Bram sentia-se mais ou menos como eu. Sua mão ainda estava pousada sobre meu ombro, e eu levei a minha até ele. Queria estar junto dele nesse momento. Ele convivera com o sujeito por muito mais tempo que eu, e havia suportado muito mais de suas maldades.
— Você está bem? — perguntei a ele.
— Sim.
As pessoas nos olhavam com desprezo. Não podia chamá-los diretamente de mortalistas — para falar a verdade, mesmo que Bram estivesse vivo, ele não deveria me tocar em público. Ainda assim me encolhi contra seu corpo, ainda que imperceptivelmente para os outros.
Mas se você acha que eles vão deixar por isso mesmo, que não vão lutar... terá que ver por si mesmo...

DEZESSEIS LUAS
Eu não queria que você soubesse.
Ela não olhava para mim.
— Por quê? — A palavra soou alta no silêncio do jardim. E quando ela olhou para mim, seu rosto estava pálido e ela parecia diferente. Assustada. Os olhos dela eram como o mar antes de uma tempestade na costa da Carolina.
— Eu não esperava que você estivesse aqui, Ethan. Pensei que eram apenas sonhos. Eu não sabia que você era uma pessoa de verdade.
— Mas depois que soube que era eu, por que não falou alguma coisa?
— Minha vida é complicada. E eu não queria você... Não quero ninguém envolvido nisso.
Eu não tinha ideia de sobre o quê ela estava falando/Ainda estava tocando a mão dela; e sabia disso.

DIE FOR ME
Finalmente falou. ― Você sabe o que eu sou, Kate. Ou pelo menos sabe o básico.
Assenti com a cabeça, me perguntando o que poderia possivelmente vir depois.
― O problema é... Quero chegar a conhecer você. Tenho um sentimento em relação a você que não tenho há muito, muito tempo. Mas ser o que sou torna as coisas ― fez uma pausa ―, complicadas.
Vendo sua expressão de agonia, me vi tocando-o, reconfortando-o, mas exerci cada fibra de autocontrole para me manter parada e segurar a minha língua. Ele tinha, obviamente, pensado sobre o que queria dizer e eu não queria distraí-lo.


DESTINO
Seja lá o que for que eu sinto por Ky, tem. que acabar. Agora. Xander é o meu Par. Não importa que Ky tenha estado em lugares em que eu nunca estive ou que tenha chorado durante a exibição, quando achou que ninguém estava vendo. Não importa que ele saiba sobre as lindas palavras que eu li no mato. Seguir as regras, ficar em segurança. E isso que importa. É a forma que eu tenho de ser forte.

Vou tentar esquecer que Ky disse "casa" quando olhou nos meus olhos.


1 comentários:

  1. Ai menina!

    Você quer me matar! Suspirei e sofri em todas essas citações!

    Não li todos os livros, mas alguns deles revivi a leitura como se fosse a primneira vez!

    Adorei!

    (Suspiros)

    Gláucia

    eassimestaescrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir