postado por Rayanne Danielly em 19 abril 2013

#9


Uma batida na porta me fez pular, e eu bati minha cabeça contra o espelho.
— Você está bem? — Era Hunter.
— Jesus Cristo, você não pode me deixar sozinha? — Eu desci da pia e abri a porta.
— Eu vou fazer um trato com você, Missy.
— Por que eu iria querer fazer um trato com você?
Ele sorriu, como se ele estivesse esperando que eu dissesse isso.
— Apenas me escute. Se você puder me provar que você me odeia, detesta-me, então eu vou embora. Encontro um sofá para dormir.
Eu bufei. — Isso deve ser fácil, você pode ir arrumar suas coisas agora.
— Você não ouviu o resto do trato. Se você puder provar-me que você me ama, absolutamente me ama, eu vou embora. — Pela primeira vez seu rosto estava sério.
— Você está brincando comigo? Eu nunca, nunca iria amar um cara como você. — Eu nunca, nunca iria amar alguém, mas isso estava além do ponto.
— Prove. Se você puder provar uma dessas coisas até o final do semestre, eu vou.
— Você vai estar com o seu traseiro fora antes disso, então.
Seu sorriso era fácil. Ele estava brincando comigo.
— Talvez, talvez não. Mas você parece o tipo de garota que gosta de um desafio.
O espaço pequeno do banheiro encolheu em torno de mim, as paredes empurrando-nos mais perto. Ele deu um passo em minha direção, e depois outro. Eu recuei até minhas pernas baterem no vaso sanitário.
— Prove para mim. Mostre-me que você me odeia. — Sua voz era suave, e seus olhos estavam exigentes. Minha respiração ficou desesperada, e minha visão estreitou para aqueles olhos azuis. Algo quebrou e meu instinto de luta assumiu.
Antes que ele pudesse se aproximar, eu recuei e bati o punho em sua mandíbula e meu joelho em sua virilha. Ele se dobrou, agarrando seu rosto e suas bolas.
— Eu odeio você. Nunca me encurrale novamente, seu filho da puta.
  My favourite Mistake
  Chelsea M. Cameron  


0 comentários:

Postar um comentário